Awaytomars: plataforma lapida suas criações de moda

awaytomars-moda

Às vezes, tudo o que a gente precisa é de um feedback, né? Ferramenta Awaytomars faz com que outros usuários melhorem seu processo criativo. Saiba mais!

Quem trabalha com moda e costura sabe que o segredo do sucesso está nas inspirações. Porém, nem sempre as ideias surgem superlapidadinhas em nossa cabeça e quando a gente quer. É preciso ter paciência e muitas vezes contar com um bom feedback que nos leva ao caminho certo – e é aí que entra o motivo pelo qual fizemos este post. Descobrimos uma ferramenta ótima em que você submete todas as suas ideias e lapida sua criação com a ajuda de outros usuários: é a Awaytomars. Já ouviu falar?

Colaboração é a chave do sucesso do Awaytomars

Apesar do nome gringo, a Awaytomars é uma ferramenta desenvolvida por um brasileiro. Alfredo Orobio não tem nem 30 anos e lançou em 2015 esta plataforma colaborativa que une profissionais e amadores de todo o mundo com um único objetivo: lapidar ideias de moda para que elas saiam finalmente do papel e possam monetizar e trazer lucros aos usuários.

alfredo-orobio

Alfredo Orobio não tem nem 30 anos e lançou em 2015 a Awaytomars

A Awaytomars é fruto de uma pesquisa em comportamento e consumo de moda realizada por Orobio enquanto fazia o seu mestrado em Lisboa, Portugal. Por lá, o projeto ganhou incentivo financeiro do governo, sócios e, atualmente, são mais de 700 pessoas, de 90 países, submetendo seus trabalhos na plataforma e gerando um processo de criação focado na colaboração.

Problema comum, solução simples

Alfredo Orobio, antes de criar o Awaytomars, percebeu um problema bastante comum e que com certeza você já deve ter percebido também. Quando estamos nas redes sociais, sobretudo em grupos com temática específica, vemos que há muito engajamento por parte dos usuários, mas muitas das informações se perdem, não permitindo que outros usuários possam ter um acesso fácil a mesma informação. A ferramenta ATM funciona como um agregador destas inspirações e projetos e, assim, faz com que os usuários busquem a interação como forma de chegar a um denominador comum.

Leia também:
Você sabe o que é um guarda-roupa cápsula?

Não é necessário ser formado em moda, costura ou modelagem para submeter a ideia na plataforma Awaytomars. Basta se cadastrar, fazer o upload do projeto e em poucas horas receber feedback de outros usuários. Em uma fase posterior, seu projeto passa por uma avaliação da própria comunidade e, se aprovado, entra para o processo de crowdfunding, a fim de tirar o projeto do papel e gerar lucros.

awaytomars

O mais legal é que os modelos selecionados no crowdfounding passam por um processo de pré-venda no próprio site da Awaytomars. Na loja virtual, a aceitação dos clientes é o termômetro do sucesso e garantirá que a peça seja produzida em grande escala. O teste controla custos e os recursos – fazendo com que não haja problemas com estoque, pois a marca só investe naquilo que agrada aos users.

plataforma-awaytomars

Para cada peça vendida, todo mundo tem vantagens. Inclusive, os próprios usuários que participaram do processo de criação, que podem comprar o produto na tabela do atacado. E tem mais: ao menos duas vezes ao ano, Alfredo Orobio e sua equipe selecionam as melhores peças para apresentar na semana de moda de Lisboa. No último dia 13 de março, por exemplo, a primeira coleção foi feita dentro deste sistema colaborativo. Foram 25 looks selecionados em mais de 400 submissões.

awaytomars-plataforma

Não há barreiras para participar do Awaytomars. A própria mãe do criador da plataforma, Alfredo Orobio, já enviou ideias. Aos poucos, a ferramenta tem se tornado uma mão na roda para quem ama moda e, como já conquistou uma boa fatia do mercado europeu, o próximo passo é fazer com que ele tenha uma boa aceitação aqui no Brasil. Em entrevista ao site RFI, Orobio afirmou que está firmando parceria com uma marca nacional de calçados bastante conhecida. Em breve, vamos saber.

Agora conta pra gente o que você achou da ferramenta Awaytomars. Submeteria seus trabalhos ou mesmo daria seus pitacos em outros projetos? Deixe sua opinião nos comentários.

Com informações de RFI, FFW, Observador, Estadão.

Imagens: Collectively, Awaytomars.